ASTROLOGIA E POLÍTICA

 

 

 

 

 

   

 

 

A astrologia surge a serviço dos reis e poderosos. Os primeiros astrólogos perscrutavam o céu em busca de sinais que indicassem o futuro dos negócios de estado. Entre suas atribuições estava escolher o melhor momento para uma coroação, para iniciar uma guerra ou assinar um tratado de paz. Durante milênios a astrologia política esteve a serviço dos reis e poderosos.  Foi somente pelo início da era cristã que os estudos de mapas astrológicos de pessoas comuns se popularizou. Mas a astrologia continuou sendo usada pelos poderosos, o que está atestado em inúmeros documentos históricos. Grandes líderes sempre tiveram a seu serviço astrólogos do mais alto gabarito. De Gaulle, Churchil, Hitler, Getulio Vargas, Perón, Jânio Quadros, Napoleão, Alexandre, Ronald Reagan tiveram astrólogos a seu serviço. Mas a astrologia mundial ou política não é só parte da história, diversos políticos utilizam a assessoria de astrólogos com excelentes resultados.

Em episódio recente um deputado federal foi alvo de uma denúncia que poderia lhe custar o mandato. Aconselhado por um astrólogo ele passou seu aniversário em outro país e ao retornar ao Brasil teve seu processo arquivado. A cada aniversário temos um mapa chamado Revolução Solar que nos influencia durante um ano.  Passar o aniversário num local escolhido, para gerar um mapa de revolução solar mais favorável, é uma velha técnica astrológica.  A astrologia permite analisar as reais condições de um candidato, o melhor momento para lançar uma candidatura, ajuda a definir os rumos da campanha, escolher a melhor assessoria e como expressar melhor o potencial de um político. E tudo isso não está muito longe, candidaturas vitoriosas da região têm a assessoria de profissionais da astrologia. E tudo feito como a velha tradição astrológica ensina: com extrema eficiência e total discrição.

RÉGIS CAANABARRO

ASTRÓLOGO E NUMERÓLOGO